15 de jun de 2011

O melhor amigo do homem (denúncia)



Fonte da imagem: TSgt. Manuel J. Martinez

Em 05 de maio, com o comunicado da morte do Bin Laden pela imprensa, lí uma matéria que me deixou chocada. Se fosse da Sociedade Protetora dos Animais, faria um mega esforço para criar alguma legislação que proibisse esse tipo de "arma" utilizada pela polícia americana (sempre eles, lógico).


Segue abaixo a reprodução da matéria, publicada em www.tecmundo.com.br:


"Não foram apenas os soldados da equipe militar norte-americana os responsáveis pelo sucesso da missão de achar e matar o terrorista Osama Bin Laden no dia 1° de maio. O cão que auxiliou o grupo de 75 militares no Paquistão possui treinamento especial, modificações no corpo e até equipamento próprio para participar dessas operações.O jornal The Daily realizou uma reportagem que expôs o treinamento e as funções da unidade canina do exército norte-americano, que pode ser tão perigosa quanto os fuzileiros. Entre os acessórios equipados no cão, destacam-se máscaras de oxigênio para saltos aéreos, uma microcâmera para transmitir imagens ao comandante e outros soldados, uma escuta para receber ordens diretas do treinador e uma vestimenta bem ventilada que aguenta até pequenos fragmentos de artilharia.
Os 2,7 mil animais em atividade no país são treinados para suportar condições de guerra, como temperaturas altas ou saltos de veículos em movimento. Além disso, o exército frequentemente substitui a dentição dos cachorros, implantando próteses de titânio que são comparados a pequenas lâminas – sob o custo de U$S 2 mil por dente. Desse modo, além de escolta e reconhecimento de locais, os animais também servem como unidade de ataque.
O farejador de bombas que acompanhou a caça a Bin Laden deve agora ser colocado para adoção, caso não participe de nenhuma outra atividade militar.
Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/9937-cao-que-participou-de-busca-por-bin-laden-tem-ate-dentes-de-titanio.htm#ixzz1P7NIwBRD"


Já sou totalmente contra a utilização de animais como os cães para combate, e agora chegam ao cúmulo de arrancar os dentes dos animais para substituí-los por titânio (pequenos volverines) além de torturá-los em treinamentos insanos (e acredito que muitos não sobrevivem), para, após alguns anos, na hora de curtirem a aposentadoria como heróis de guerra, serem colocados para adoção. E quem adotaria?
Logicamente, condená-los à morte seria tão cruel como a vida que levam mas deveria ser obrigatório, registrado nos artigos da conduta militar norte-americana, que cada treinador, cada soldado, capitão, sargento, ou quem quer que tenha trabalhado com eles, os adotem, por respeito, por amor, por gratidão.
Pelo menos isso é o que se espera dos seres ditos humanos...
Fica a denúncia.
Postar um comentário