8 de set de 2009

Prêmio IgNobel




Continuando o assunto sobre pesquisa científica, descobrí que existe uma premiação chamada de "Prêmio IgNobel" que vem a ser uma sátira do prêmio Nobel e é dado a cada outono para a descoberta científica mais estranha do ano. O objetivo é premiar pesquisas raras, honrar a imaginação e atrair o interesse público para a ciência. Foi criado pela revista de humor científico "Annals of Improbable Research (Anais da Pesquisa Improvável) e a cerimônia de entrega é realizada em Harvard.

Abaixo você encontrará alguns dos prêmios que considerei mais estranhos:

  • Os tatus podem misturar os vestígios em um sítio arqueológico. (Arqueologia, Astolfo Gomes de Mello Araujo e José Carlos Marcelino, 2008)
    O Professor Grant deve ter tido problema com eles antes de ir para Jurassic Park...
  • As pulgas que vivem nos cães pulam mais alto do que as que vivem nos gatos. (Biologia, Marie-Christine Cadiergues, Christel Joubert e Michel Franc, 2008) E isso vai mudar minha vida porque...?!?
  • Medicamentos falsos caros são mais eficientes do que os medicamentos falsos baratos (Medicina, Dan Ariely, 2008) Alguma coisa relacionada aos Genéricos ?!?
  • Montes de corda ou cabelo inevitavelmente embolam. (Física, Dorian Raymer e Douglas Smith, 2008) Ah tá! Lei de Murphy, não é?
  • Estudo teórico de como as folhas de papel amassam. (Física, L. Mahadevan e Enrique Cerda Villablanca, 2007) E como ficou o meio ambiente durante este estudo? Quantas árvores foram sacrificadas?
  • Pesquisa e desenvolvimento de uma "bomba gay" que poderia fazer com que as tropas inimigas se tornassem sexualmente atraídos uns pelos outros. (Paz, Laboratório Wright da Força Aérea dos Estados Unidos em Ohio, 2007) Essa é hilária! Imagine os homens do Bin Laden correndo atrás dos soldados americanos!
  • Estudo "Consequences of Erudite Vernacular Utilized Irrespective of Necessity: Problems With Using Long Words Needlessly" (Consequências do vernáculo erudito utilizado sem necessidade: problemas de se usar palavras longas desnecessariamente). (Literatura, Daniel Oppenheimer da Universidade de Princeton, 2007) É por isso que vivo externalizando minha teoria de que quando expressamos aquilo que intencionalmente desejamos verbalizar, este colóquio deve ser expresso em condições extremamente curtas e enfáticas...
  • Cálculo do número de fotografias que devem ser tiradas para assegurar que ninguém, em uma foto em grupo, apareça de olhos fechados. (Matemática, Nic Svenson e Piers Barnes de uma Organização Australiana de Pesquisa Científica, 2007) Prestarei bastante atenção para manter meus olhos bem abertos na próxima vez em que for fotografada...
  • Monitoramento elétrico da atividade cerebral de uma lagosta, enquanto ela assistia a uma seleção dos melhores momentos de "Guerra nas Estrelas". (Paz, Claire Rind e Peter Simmons da Universidade de Newcastle, Reino Unido, 2006) Será que ela era fã do Spielberg?
  • Relógio despertador que foje e se esconde, desse modo assegurando que as pessoas de fato saiam da cama e acrescentando assim muitas horas produtivas de trabalho (Economia, Gauri Nanda do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 2006) Uau! Fico imaginando um relógio correndo pelo meio do quarto para não ser abatido pelo recém despertado...
  • Demonstração de que a espuma da cerveja obedece à lei matemática do decaimento exponencial. (Matemática, Arnd Leik da Universidade de Munique, 2002) Farei esta experiência da próxima vez que degustar minha cervejinha...
  • Relatório sobre a Assimetria Escrotal no Homem e na Escultura Antiga. (Medicina, Chris McManus da University College London, 2002) Imagine quantos pênis de estátuas essa criatura teve que observar para chegar a uma conclusão...
  • Comemoração do quinquagésimo aniversário do bombardeamento de Hiroshima com testes nucleares no Pacífico. (Paz, Jacques Chirac, presidente da França, 1996) Sem comentários!
  • Conclusão experimental de que 1.000 meditadores treinados causaram um decréscimo de 18% no índice de crimes violentos em Washington DC. (Paz, John Hagelin, 1994) Por favor, mandem esses caras para o Rio...
  • Medidores matemáticos da moralidade, pela sua estimativa, de quantos cidadãos do Alabama irão para o Inferno se não se arrependerem. (Matemática, Igreja Baptista Sulista do Alabama, 1994) Ufa! Ainda bem que não moro lá...
  • Descoberta de que a água (H2O) é um líquido inteligente, e por demonstar que a água é capaz de se lembrar de acontecimentos muito depois de todos os vestígios desses acontecimentos terem desaparecido. (Química, Jacques Benveniste, correspondente da revista "Nature", 1991) A pergunta que não quer calar: e como se extrai a memória da água?!?
  • Explicação de como as civilizações foram influenciadas por antigos astronautas extraterrestres. (Literatura, Erich von Däniken, autor de "Eram os Deuses Astronautas?", 1991) Ei, eu lí esse livro! Fenômeno em vendas...
Algum comentário?!?









7 de set de 2009

Acordo Brasil-França: Soberania Nacional?



Amo meu país. Acredito que não tenhamos poder bélico para enfrentar uma invasão.

Sei que nossas Forças Armadas estão sucateadas em termos de aviões, caças, submarinos e outros tantos equipamentos de defesa nacional. Entretanto este acordo franco-brasileiro não está me convencendo já que as informações que venho colhendo me fazem duvidar do real objetivo desta aliança.

O Greenpeace realizou três "flash mob" (mobilizações relâmpago) em protesto contra este acordo no Rio, em São Paulo e em Salvador. Essa transação marca a retomada do programa nuclear brasileiro e a saída dos cofres públicos de aproximadamente R$ 28 bilhões para o desenvolvimento de um submarino nuclear, a construção de um estaleiro e de uma base para submarinos nucleares aqui, na minha cidade maravilhosa. Sem contar que a escolha da construtora (Odebrecht) foi imposta pela empresa francesa DCNS e que, para a operação do estaleiro, será constituída uma sociedade com 50% das cotas sob controle da construtora, 49% com a DCNS francesa e apenas 1% com a Marinha do Brasil, conforme informação do blog Poder Naval.

O que mais me assusta é que estaremos atentando contra acordos internacionais que impedem a transferência de tecnologia nuclear para evitar a proliferação de armamentos nucleares no mundo.

Na década de 70 nosso acordo nuclear com a Alemanha nos trouxe usinas superfaturadas, ultrapassadas e com enormes atrasos na construção e na implementação. Em se tratando de Brasil, infelizmente um lugar em que a marioria dos governantes só tem olhos para seus próprios bolsos, onde é permitido atropelar a Constituição, onde a punição aos homens de terno e colarinho branco é substituída pela distribuição de pizzas patrocinadas pelo Congresso Nacional, onde não há transparência nas negociações governamentais (já que este próprio acordo feriu a lei 8.666 que trata de licitações), é realmente assustador e preocupante assistir passivamente o desenrolar desta aliança.

Não entendo de estratégia militar, acredito, repito, que precisamos aumentar nossas defesas. Mas acredito também que a supremacia que tanto buscamos não será conquistada com guerras, com fome, com mais sacrifício dos brasileiros, povo tão dócil e acomodado no que diz respeito a manifestar-se em prol dos seus direitos.

Vamos olhar para nossa Amazônia com carinho, protegendo-a, saindo do 4º lugar humilhante da lista dos países responsáveis pela poluição mundial.

Vamos adquirir caças e submarinos para proteger nosso país, nosso território, defender nossas florestas, nossa raça, nosso povo e nossas crianças, das drogas, da violência, das doenças, das epidemias.

Parece que o 7 de Setembro será marcado não pela independência brasileira mas pela dependência aos franceses. Devemos realmente comemorar?


6 de set de 2009

Cientistas: Heróis ou Vilões?




Estou juntando material para descobrir a resposta à essa pergunta.

Pessoalmente, estou mais propensa a acreditar que 80% dos cientistas são vilões. Você, caro(a) leitor(a) com certeza achará minha afirmativa um tanto ou quanto ignorante mas, vamos às minhas observações:

"A bomba atômica mais poderosa do mundo é a B83, que tem o poder de destruição de duzentas bombas iguais à utilizada em Hiroshima. Isso significaria uma destruição de quase 15Km²."

"Cientistas da Universidade de Harvard disseram (...) ter dado início a uma pesquisa para clonar embriões humanos como forma de obter células-tronco. O financiamento da pesquisa é totalmente privado para driblar restrições federais à pesquisas desse tipo."

"Um grupo de pesquisadores da universidade londrina de King's College anunciou (...) que pretende clonar embriões a partir de óvulos de coelho e núcleos de células humanas. Os embriões seriam formados, na maior parte, por matéria procedente de coelhos, mas teriam DNA humano (...)."

"Um dos fatos que mais está intrigando cientistas e teólogos é a grande quantidade de estudos que estão sendo realizados em laboratórios, cujos objetivos é explicar os mistérios religiosos, ou procurar Deus dentro do cérebro humano, usando os instrumentos e métodos da ciência (...).
Pesquisas desse tipo já estão sendo realizadas em cerca de 30 faculdades de medicina nos Estados Unidos.(...)
Vale lembrar que os investimentos financeiros para este fim nunca foram tão altos. É o caso da fundação John Templeton Foundation, dos EUA, que está investindo grande quantidade de recursos para apurar a veracidade dos escritos bíblicos (...).
"

"Praticamente todas as informações sobre nutrição vêm das companhias de alimentos e da mídia. E ambas preferem divulgar abordagens simplistas para dietas, enfatizando novidades isoladas em lugar
do conhecimento básico adquirido pelos cientistas. É por isso que se faz alvoroço toda vez que algum estudo mostra que um ou outro nutriente isolado pode fazer bem. Muita gente acha difícil seguir recomendações nutricionais porque tem a impressão de que os cientistas mudam seu ponto de vista de um dia para o outro, a cada nova pesquisa. Isso é uma distorção da mídia e de alguns cientistas. Aliás, boa parte das pesquisas científicas é financiada pela indústria, o que compromete sua isenção.
(...)
Para começar, as empresas alimentícias financiam departamentos acadêmicos, institutos de pesquisas e sociedades médicas, além de apoiar conferências e revistas científicas. É questionável quando isso corrompe a integridade acadêmica dos pesquisadores. Um dos estudos mais badalados é o que relaciona uma vida saudável à chamada dieta Mediterrânea regada a azeite de oliva. (...) os artigos que falavam dessa dieta vieram de uma conferência financiada pelo Conselho Internacional do Azeite de Oliva.(...)
Fiz um levantamento do que saiu recentemente nas revistas científicas. Um estudo afirmando que cereais matinais ricos em fibras podem reduzir o risco de câncer foi feito por um funcionário da Kellogg's. Outro dizia que margarina era melhor que manteiga para reduzir os níveis do colesterol ruim e foi financiado pela Associação Nacional dos Produtores de Margarina. Um dos famosos estudos que associam a ingestão de duas a cinco taças de vinho por dia com redução de mortalidade foi patrocinado pelo Instituto Técnico do Vinho Francês."


Bem, concordo que muitos cientistas trabalham com o objetivo de melhorar a qualidade de vida do ser humano, encontrar soluções para as mazelas do planeta ou remédios eficazes para as doenças, mas acredito que esses estudos seriam mais eficientes se não houvesse uma enxurrada de outros tantos cientistas estudando e criando meios de destruição em massa, manipulação genética, opressão de mentes, e outras tantas pesquisas que exigem a aplicação de fundos multimilionários focados para o fim da raça humana e do planeta.

Por que até hoje não foi descoberta a cura para o câncer? Ou para a Aids?

Por que, com tanto conhecimento tecnológico, não conseguimos ainda resolver o problema da seca? A quem interessa manter a indústria da fome?

Eu tenho as respostas para essas e outras tantas perguntas. Mas, com certeza, posso ser processada por isso como aconteceu à apresentadora norte americana Oprah Winfrey. Em 1996, ao entrevistar um ativista vegetariano, comentou que por receio da epidemia da vaca louca, havia parado de comer hambúrgueres. Foi processada pelos pecuaristas dos Texas em U$ 10 milhões por incitar o medo na mente dos consumidores. A boa notícia é que ela foi inocentada 4 anos depois após ter gasto U$ 1 milhão em advogados.

Então, como minha conta bancária ainda não permite que eu exponha publicamente minhas opiniões, ou melhor, não aponte o dedo aos culpados pelo atraso científico que nos atinge a décadas, fica a mensagem subliminar.

Para terminar, uma frase de Platão:
"Uma vida não questionada não merece ser vivida."