2 de mai de 2012

Coceira na pele e no couro cabeludo - será Morgellon?


Uma doença estranha vem afetando cada vez mais americanos e, pesquisando no Google, não encontrei menção à doença aqui no Brasil.

Como vírus proliferam e estamos em um mundo globalizado, não duvido que este mal já tenha atingido alguns brasileiros mas não tenha sido devidamente diagnosticado. Minha aversão à saúde pública já foi devidamente demonstrada aqui...


Voltando à doença, fui alertada de sua existência através de um contato do Google+. Por razões óbvias não mencionarei o nome do contato mas o fato de ter mencionado que a doença já atingiu mais de 15.000 pessoas somente nos EUA aguçou minha mente de jornalista.

O mal tem sido chamado de doença de Morgellons, que ataca o couro cabeludo e o folículo piloso (estrutura dérmica capaz de produzir pelo) e também pode ser caracterizada por lesões graves sobre a pele. Esta infecção pode se espalhar rapidamente se não for controlada e tratada a tempo.

A doença, também conhecida como fenômeno Karjoo, parece não ser facilmente diagnosticada pelos profissionais de medicina americanos, tendo a população sofrido muito já que causa coceira, irritação e grande incômodo aos portadores. A pessoa que mencionei acima relatou caso de suicídio por conta da intolerabilidade da infecção que vem sendo erroneamente diagnosticada como psicossomática ou imaginária.

Entretanto, em Los Angeles, um renomado médico (Dr. Rahim Karjoo) que já ganhou prêmio por seus relevantes serviços no campo da patologia, tem dedicado seu tempo a encontrar tratamento adequado. Ele encontrou relação direta de possível contaminação do folículo com nanopartículas de silica ou silicone, que penetram na superfície da pele até as camadas mais profundas. Essas partículas são elementos que estão suspensos ao nosso redor, no dia a dia, e são encontradas nas novas tecnologias como celulares e cosméticos.

Na primeira consulta gratuita, no Centro Médico Morgellons, o paciente fornece amostra de seu cabelo e faz uma biópsia da pele. Se constatado que o paciente é portador da doença de Morgellon, passa a receber tratamento, levando-o à cura total da enfermidade.

Espero sinceramente que tal moléstia não tenha atingido nosso território pois uma possibilidade de cura tão distante inviabiliza a solução deste mal para a maioria do povo brasileiro.