6 de set de 2009

Cientistas: Heróis ou Vilões?




Estou juntando material para descobrir a resposta à essa pergunta.

Pessoalmente, estou mais propensa a acreditar que 80% dos cientistas são vilões. Você, caro(a) leitor(a) com certeza achará minha afirmativa um tanto ou quanto ignorante mas, vamos às minhas observações:

"A bomba atômica mais poderosa do mundo é a B83, que tem o poder de destruição de duzentas bombas iguais à utilizada em Hiroshima. Isso significaria uma destruição de quase 15Km²."

"Cientistas da Universidade de Harvard disseram (...) ter dado início a uma pesquisa para clonar embriões humanos como forma de obter células-tronco. O financiamento da pesquisa é totalmente privado para driblar restrições federais à pesquisas desse tipo."

"Um grupo de pesquisadores da universidade londrina de King's College anunciou (...) que pretende clonar embriões a partir de óvulos de coelho e núcleos de células humanas. Os embriões seriam formados, na maior parte, por matéria procedente de coelhos, mas teriam DNA humano (...)."

"Um dos fatos que mais está intrigando cientistas e teólogos é a grande quantidade de estudos que estão sendo realizados em laboratórios, cujos objetivos é explicar os mistérios religiosos, ou procurar Deus dentro do cérebro humano, usando os instrumentos e métodos da ciência (...).
Pesquisas desse tipo já estão sendo realizadas em cerca de 30 faculdades de medicina nos Estados Unidos.(...)
Vale lembrar que os investimentos financeiros para este fim nunca foram tão altos. É o caso da fundação John Templeton Foundation, dos EUA, que está investindo grande quantidade de recursos para apurar a veracidade dos escritos bíblicos (...).
"

"Praticamente todas as informações sobre nutrição vêm das companhias de alimentos e da mídia. E ambas preferem divulgar abordagens simplistas para dietas, enfatizando novidades isoladas em lugar
do conhecimento básico adquirido pelos cientistas. É por isso que se faz alvoroço toda vez que algum estudo mostra que um ou outro nutriente isolado pode fazer bem. Muita gente acha difícil seguir recomendações nutricionais porque tem a impressão de que os cientistas mudam seu ponto de vista de um dia para o outro, a cada nova pesquisa. Isso é uma distorção da mídia e de alguns cientistas. Aliás, boa parte das pesquisas científicas é financiada pela indústria, o que compromete sua isenção.
(...)
Para começar, as empresas alimentícias financiam departamentos acadêmicos, institutos de pesquisas e sociedades médicas, além de apoiar conferências e revistas científicas. É questionável quando isso corrompe a integridade acadêmica dos pesquisadores. Um dos estudos mais badalados é o que relaciona uma vida saudável à chamada dieta Mediterrânea regada a azeite de oliva. (...) os artigos que falavam dessa dieta vieram de uma conferência financiada pelo Conselho Internacional do Azeite de Oliva.(...)
Fiz um levantamento do que saiu recentemente nas revistas científicas. Um estudo afirmando que cereais matinais ricos em fibras podem reduzir o risco de câncer foi feito por um funcionário da Kellogg's. Outro dizia que margarina era melhor que manteiga para reduzir os níveis do colesterol ruim e foi financiado pela Associação Nacional dos Produtores de Margarina. Um dos famosos estudos que associam a ingestão de duas a cinco taças de vinho por dia com redução de mortalidade foi patrocinado pelo Instituto Técnico do Vinho Francês."


Bem, concordo que muitos cientistas trabalham com o objetivo de melhorar a qualidade de vida do ser humano, encontrar soluções para as mazelas do planeta ou remédios eficazes para as doenças, mas acredito que esses estudos seriam mais eficientes se não houvesse uma enxurrada de outros tantos cientistas estudando e criando meios de destruição em massa, manipulação genética, opressão de mentes, e outras tantas pesquisas que exigem a aplicação de fundos multimilionários focados para o fim da raça humana e do planeta.

Por que até hoje não foi descoberta a cura para o câncer? Ou para a Aids?

Por que, com tanto conhecimento tecnológico, não conseguimos ainda resolver o problema da seca? A quem interessa manter a indústria da fome?

Eu tenho as respostas para essas e outras tantas perguntas. Mas, com certeza, posso ser processada por isso como aconteceu à apresentadora norte americana Oprah Winfrey. Em 1996, ao entrevistar um ativista vegetariano, comentou que por receio da epidemia da vaca louca, havia parado de comer hambúrgueres. Foi processada pelos pecuaristas dos Texas em U$ 10 milhões por incitar o medo na mente dos consumidores. A boa notícia é que ela foi inocentada 4 anos depois após ter gasto U$ 1 milhão em advogados.

Então, como minha conta bancária ainda não permite que eu exponha publicamente minhas opiniões, ou melhor, não aponte o dedo aos culpados pelo atraso científico que nos atinge a décadas, fica a mensagem subliminar.

Para terminar, uma frase de Platão:
"Uma vida não questionada não merece ser vivida."