10 de mar de 2012

Eufemismo



Olá, estive afastada por um tempinho e peço desculpas.


Hoje vou falar sobre eufemismo porque estou fazendo um curso de Locução - realização de um desejo de décadas - com o competente profissional Marcio Seixas, um dos melhores locutores e dubladores do Brasil, e durante os dois primeiros meses estaremos realizando exercícios de articulação, onde existem pequenos textos que precisamos ler com precisão e em apenas um fôlego.


Acreditem, não é muito fácil...


Quer experimentar? 



Leia os textos abaixo em voz alta, sendo que você deve encher bem o pulmão de ar e ler sem entonação nenhuma, o que chamamos de leitura linear. Cada texto em um fôlego:


"Ele era portador de diastemia e sua oclusão se dava através de um complexo deglutir de alevinos capturados à sombra de guainumbiapiratis e escrofulariáceas."


"A arara alarada na ararandéua alapardada do ararandeuara arfava pela aragem da aramagem que eriçava a arará e não falava quando o alarve araliáceo iconoclasta ordenava: fala a rala fala arara loura."


"Sapos a roqueijar pombos a turturilhar erus a grugrulejar pelicanos a grassitar cigarras a estridular camelos a blaterar onças a esturrar compõem uma sinfonia inigualável no seio da floresta."


"Sou eu ou é a aia uauaense em meio às elites aterrorizadas pela ictiopsofose emanada do peixe-elétrico a capturar o inofensivo teleósteo siluriforme."


E então, conseguiu? Achou fácil ou teve alguma dificuldade? Comente!


Enfim, temos quatro páginas somente com textos assim, o que me fez lembrar de um e-mail que recebí há algum tempo falando sobre eufemismo.


Para quem não sabe, eufemismo é uma figura de linguagem utilizada para substituição de alguns termos por outros, consistindo em transformar expressões pesadas em palavras mais suaves, como por exemplo: você faltou com a verdade (você mentiu).


Então, juntando os texto das minhas aulas com o e-mail recebido, vejam como falar de forma mais coloquial e inteligente:


Prosopopeia flácida para acalentar bovinos.
(Conversa mole pra boi dormir)


Colóquio sonolento para fazer bovino repousar.
(História pra boi dormir)


Romper a face.
(Quebrar a cara)


Creditar o primata.
(Pagar mico)


Inflar o volume da bolsa escrotal.
(Encher o saco)


Derrubar, com a extremidade do membro inferior, o sustentáculo de uma das unidades de proteção solar do acampamento.
(Chutar o pau da barraca)


Deglutir o batráquio.
(Engolir sapo) 


Derrubar com intenções mortais.
(Cair matando)


Aplicar a contravenção do João, deficiente físico de um dos membros superiores.
(Dar uma de João sem braço)


Sequer considerando a utilização de um longo pedaço de madeira.
(Nem a pau)


Sequer considerando a possibilidade da fêmea bovina expirar fortes contrações laringo-bucais.
(Nem que a vaca tussa)


Derramar água pelo chão, através do tombamento violento e premeditado de seu recipiente com a extremidade do membro inferior.
(Chutar o balde)


Retirar o filhote de equino da perturbação pluviométrica.
(Tirar o cavalinho da chuva)


A bucéfalo de oferendas não perquiris formação ortodôntica.
(A cavalo dado não se olham os dentes)


E para terminar, essa não irei traduzir. Vamos ver quem consegue traduzir:


O orifício circular corrugado, localizado na parte ínfero-lombar da região glútea de um indivíduo em alto grau etílico, deixa de estar em consonância com os ditames referentes ao direito individual de propriedade.


Conseguiu entender?


E os textos de locução?


Comente!
Postar um comentário